terça-feira, 29 de maio de 2018

DARK SOULS 5 Marta I

Aqui estou eu, sentada no escuro, a meio da noite, com uma faca afiada na mão, pronta para a usar!
Sinto que nasci para o que vou fazer. E vou fazê-lo. Sem remorsos nem hesitações.
Pensamentos destes enchem-me a cabeça e incitam-me para fazer algo que me repugna. Sinto vontade de vomitar só de pensar nisso.
Encolho-me mais um bocadito, mas nesse movimento sinto que a mão direita aperta com mais força o cabo da faca, até os nós dos dedos ficarem translúcidos.
Tinha entrado em casa dele horas antes, com a firme decisão de o matar. Mas agora, a parte da minha alma frágil e delicada estava, aos poucos, a dominar.
"Eu fiquei completamente destroçada quando ele me disse que estava a gostar muito de outra mulher." Passei a odiá-lo e a amá-lo ao mesmo tempo. E esta divisão mantêm-se no meu coração, pois tenho uma faca na mão e lágrimas nos olhos.
Como sou tola. Não devia ter tomado esta decisão. No fundo não quero fazer nada disto.” Mas reparo que a minha mão se recusava a largar a faca.
Dedico a minha atenção à mão, e lentamente dou-lhe ordens para que largue a arma letal, mas ela não obedece. Fico assustada. “Estarei completamente louca???
A minha mão esquerda tenta separar a faca da outra mão, mas não consegue. Parecia que o cabo da faca era uma extensão da mão.
Larguei-me a chorar baixinho, e aos soluços. Afinal parte de mim quer mesmo fazer-lhe mal.
Senti que a parte da minha alma boa não tinha poder nenhum quando o mal tudo domina. E senti-me capaz de morrer.
E se????” Era um dois em um e acabavam-se os sofrimentos todos de uma vez. “E lixem-se os que cá ficam!
E fortalecida por este novo e perverso sentimento, fiquei estranhamento alíviada por, afinal, não ter largado a faca. “Sim, é isso mesmo! Vamos lá a isso!
E lentamente começo a colocar-me em posição, como uma pantera antes de atacar…..