quinta-feira, 3 de março de 2016

.... Vidinha ....

Estou sempre a pensar nela, e pelo que sei, ela nunca pensa em mim. Isto não me parece nada justo!

Em quem penso? Na Vida. Ela está sempre no meu pensamento....

… se penso no Amor, estou a pensar na Vida.

… se penso no Dinheiro que (não) tenho, estou igualmente a pensar na Vida.

... se penso noutra coisa qualquer, volto a pensar nela. É inevitável.

A única excepção é quando penso na Saúde, pois quando penso nesta não penso na outra...

Pensar na Vida tornou-se então para mim um verdadeiro desporto. Um passatempo. Ou um vício...

Vejo-me então a gastar o meu tempo livre (ou não) a pensar na Vida, quer esteja sozinho ou acompanhado.

Depois reparo que a Vida está a tomar conta de mim!

... quando acontece alguma coisa menos boa, dizem logo ”Sabes, é a Vida….

... quando surge algo de bom, ouço logo “Há belas Vidinhas…

A Vida é portanto a única e exclusiva responsável por todo o Bem e por todo o Mal que acontece comigo e a todos os que me rodeiam!

Assim, o que a Vida me diz é que sou um verdadeiro “verbo de encher”, sem préstimo algum, pois faça o que fizer os méritos e os deméritos são sempre dela, nunca meus!

Por vezes fico a pensar no tempo que perdi a pensar na Vida e acabo a pensar que ela não pensava em mim e que eu poderia ter estado a pensar noutra… e.... caramba, apetece-me parar de pensar…nela….

Mas não consigo….

Pode ser que amanhã deixe de pensar na Vida. Vou pensar nisso….