sexta-feira, 29 de junho de 2018

A Angústia

Como ondas nas rochas, sinto a Angústia a bater forte em mim. E perante tal magnitude, limito-me a resistir o melhor que posso.
Estou sentado numa rocha, em frente ao Mar a perder de vista, entretendo-se este a salpicar-me com as suas gotículas salgadas.
Sinto que estou bem onde estou, e por isso, bem comigo mesmo. Não conheço melhor sensação.
No processo de viver o momento, tento remeter para o esquecimento o que já sofri, e sem querer antecipar o que ainda me falta sofrer. Bendita consciência e memória, que a tanto me poupas.
Cai a noite e olho sem interesse para as estrelas que começam a aparecer no firmamento. Sei que possuo um universo bem maior, dentro da minha própria consciência.
Abandono a rocha segura e o mar travesso, frustrado por não ter conseguido que uma única gotícula de Angústia tenha saído dentro de mim.
Foi sem surpresa que a vejo, sentada no areal. Ela esperava por mim, com um largo sorriso nos seus olhos.

Respondo com outro sorriso, e agarrando-lhe a mão, aceito-a como companheira da minha viagem. Juntos, unidos, até ao fim.