segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O Pilha-Galinhas 2 - O Gato que ficou sem rabo

Não soube nada da minha irmã durante diversos dias, apesar de morarmos na mesma rua. Descansada eu não estava, mas sabia que se ela precisasse de mim viria procurar-me.
Fiquei a saber que o tema da conversa ainda era a Berta e o Carlos quando cheguei à mercearia da Vicência, pois todos se calaram quando eu entrei. E os estúpidos que tão mal fingiram que não estavam a dar à língua sobre este assunto.
Mísero vilarejo onde um mexerico fica na ponta da língua durante semanas. Claro que este tema só passaria quando surgisse outro com igual ou superior importância. Mas como poderia isso acontecer, se não se passa nada ali?
Passados uns momentos, e para minha surpresa, surge a Berta, com uns enormes óculos escuros, e percebi logo que não estava à espera de me ver, e muito menos de falar comigo, pois cumprimentou-me com um bocadito mais de frieza do que eu esperava ou que estava habituada. Mas compreendi.
Demorámos o mínimo possível na mercearia, e reparei que nesse entretanto ninguém saiu de lá, e inclusive todos ficaram a fingir que liam os rótulos dos produtos. Até mesmo os pitosgas! Raio que os partam a todos.
Eu saí para reentrar passados uns dois ou três minutos, de propósito, para os surpreender na coscuvilhice. E apanhei-os a todos a bichanar, esses cretinos da pior espécie. E chamei-lhes de tudo, ficando eles todos de bico e calados, sem se atreverem sequer a levantar o pescoço.
Quando saí de vez, vi a Berta a sorrir. Ela conhecia-me e gostava da minha maneira de ser, pois mesmo quando as coisas corriam mal, eu fazia-lhe surpresas só para lhe agradar.
“- Pus o pulha a andar, sabias? Dei-lhe um dinheirito e uma mala de roupa. E que nunca mais me aparecesse à frente.” Disse-me ela num tom baixo e lento, como se estivesse sob efeitos de calmantes. Fiquei preocupada.
“- Ah ele já foi? E a Filomena?” Foste falar com ela?” Perguntei-lhe.
“- Aquela p….? Não. Nem vou. Ela só se aproveitou da nossa fraqueza. É que ela nunca gostou de mim.”
A minha conversa com a Berta terminou ali, pois ela virou para casa sem me convidar para entrar. Fiquei parada durantes uns instantes para ver se ela ainda me dizia mais alguma coisa, mas depois segui o meu caminho.
Cada vez mais esta história se estava a parecer com a minha, e fiquei ainda mais incomodada, pois o déjà vu era por demais evidente.
Eu era muito mais ingénua do que a minha irmã, quando tudo isso me aconteceu.
Eu e o Gonçalo namorámos bastante tempo e ele por vezes  parecia estar hesitante em estabelecer um compromisso mais sério comigo. Só se decidiu quando o ameacei deixá-lo se não ficássemos noivos, pois com a minha vida não brincava ele.
Eu tinha-o colocado entre a “espada e a parede” por saber perfeitamente que o Gonçalo tinha como lema “levo as coisas sempre até ao fim” e por isso casámos logo a seguir.
A cerimónia de casamento foi feita com pompa e circunstância, de acordo com a tradição familiar e local, que assim o exigia a jovens de famílias de algumas posses. Foi um dia feliz para mim. Não sabia eu que tinha sido esse o último dia feliz com o Gonçalo.
Estúpida. Tinha sido melhor se tivesse ficado quieta. Mas na altura nem desconfiava o que seria para mim a “maravilhosa” vida de casada. Ainda acreditava nos contos de fada, e quando me alertaram para os perigos, ignorei.
Uma pessoa quando se casa fá-lo para se libertar do jugo dos pais e ao mesmo tempo para ir viver com a pessoa que ama. Estava casada e, julgava eu, bem casada. O meu marido era desejado e eu invejada nas redondezas.
Assim, ao casar, julgava que a minha vida fosse mudar, e para melhor. Enganei-me e redondamente. Coitada de mim. Era tão tapadinha na altura. Mas no entanto julgava-me mais esperta que os outros, e teimosa, só via o que queria ver.
Mas eu não sabia é que para o Gonçalo, casar era arranjar uma mulher que substituísse a sua querida mãezinha a tratar dele. Literalmente! E mais. Era ter muito mais liberdade do que ela lhe dava.
Sim, a minha querida sogrinha conhecia a peça que tinha parido, e daí lhe ter dado sempre uma rédea curta enquanto ele esteve debaixo do seu tecto. E sim, ela era muito mais esperta e muito menos ingénua que eu.
Queridas, desconfiem sempre de um tipo que vive e sempre viveu em casa da mãe! O mais certo é que apenas vos queira para fazer o mesmo que o Gonçalo me fez a mim: criada para todo o serviço. E sem remuneração.
Passada uma semana já me estava a começar a arrepender, mas continuei firme e hirta, pois não queria dar o braço a torcer.
A partir daí foi a descida aos infernos, cheio de monólogos, de perguntas sem resposta, de mais ausências que presenças, de mais choro que riso…..
“- Gonçalo, a que horas chegaste ontem à noite?”
“- Amor, porque não ficas hoje em casa?”
“- Gonçalo, não saias hoje porque a minha operação é já amanhã.”
“- Amor, por favor, hoje fica comigo.”
“- Gonçalo, sabias que ontem foram os meus anos e nem sequer apareceste.”
Até que um dia a dura verdade bateu-me à porta. Aquela que eu já sabia ou pelo menos desconfiava fortemente. Mas que continuava em plena negação.
Um tio dele, farto de esperar e de desesperar para que o sobrinho tomasse uma posição de Homem, veio a minha casa contar-me tudo. Que o Gonçalo tinha outra família, e que a tinha ainda antes de casar comigo.
E não é que a família do Gonçalo afastou-se completamente do tio, pois consideraram que ele tinha cometido uma traição. Em que ninho de víboras estava eu metida, afinal?
Claro que o Gonçalo negou, renegou, zangou-se e até insinuou que o tio estava interessado em mim. Que todos os que andavam a espalhar boatos eram uns mentirosos e que apenas tinham inveja da nossa felicidade.
Mas o rabo do Gonçalo estava bem preso, e um dia ficou sem ele quando o meu pai apareceu lá em casa, e mais que farto das suas balelas, expulsou-o. Só aí o Gonçalo compreendeu. Vi-o nos olhos abertos de espanto.
E eu dei-lhe um dinheirito e uma mala de roupa. E disse-lhe que nunca mais me aparecesse à frente.
(continua)