quinta-feira, 1 de outubro de 2015

"Os Casamentos deviam ter prazo de Validade"


Dizia um ex-Chefe meu que “os casamentos deviam ter prazo de validade”. Nessa altura achava essa opinião uma blasfémia total, pois considerava que “os casamentos (no sentido alargado do conceito) são para a vida”.

O argumento apresentado tinha a sua lógica: “se tudo na vida tem prazo de validade (começando pela própria vida), porque não os casamentos? Quando decidissem que era para valer, os membros do casal estabeleciam a duração. No final desse período e se ambos estivessem de acordo, renovariam. Ou não. Afinal”, rematava, “o casamento é um contrato!

Pensando bem, se até os contratos de trabalho sem termo terminam com a reforma, os casamentos devem ser mesmo os únicos que são perenes.

Agora, começo a pensar que ele até poderia ter alguma razão!

Se houvesse uma duração estabelecida, qualquer um dos membros do casal poderia optar por não renovar, sem justificações, sem dramas, apenas acabava….

Penso concretamente nos membros do casal que, ao sentirem-se numa relação “estável” desinvestem em termos sentimentais.

Se houvesse uma duração estabelecida, talvez pudesse haver uma maior consciencialização da importância em não deixar de alimentar continuamente a relação, como se de uma frágil flor se tratasse, que morre rapidamente se não for cuidada.


Mas…. se é uma daquelas pessoas afortunadas que tem uma relação abençoada este texto não é para si, pois nesses casos o Casamento deve ser mesmo para a Vida.