sábado, 8 de outubro de 2016

O Zé do Tuk-Tuk (3 de 3)



Ao cair para trás, Zé quase derruba uma senhora, e estando já os ânimos exaltados, começou logo aí uma confusão do "empurra empurra" e "olha que te vou ao focinho", altercação essa muito bem aproveitada pelo nosso perninhas de alicate para ficar fora da vista da sua "nemesis" escandinava!

Assim o Zé esgueira-se Rua Augusta abaixo até ao acesso do Arco, e nem se atreveu a olhar para trás, pois sentia a Karen a morder-lhe os calcanhares. Ele só pensava que o mundo inteiro se tinha juntado para o tramar, e não estava longe da verdade. Efectivamente, até a polícia já estava no encalço dos dois....



No acesso ao topo do Arco da Rua Augusta, Zé passou rapidamente por baixo dos torniquetes, apanhando à justa o elevador de acesso ao patamar intermédio, e ao virar-se vê Karen a chegar, esbaforida e cada vez mais irritada.


Chegado ao patamar, Zé subiu a muito custo as estreitas escadas do acesso ao topo do Arco da Rua Augusta, sem imaginar que ia para um beco sem saída. Ele nunca tinha estado lá em cima, e devia achar que havia um escorrega gigante para o levar outra vez à rua.

Alcançado o cimo, Zé ficou de boca aberta com a vista esplendorosa que tinha da cidade de Lisboa, com a Praça do Comércio e o Tejo aos seus pés.... Idílico, até levar uma murraça no cachaço que foi logo ao chão! Estranhamente, nesse momento, ele sentiu-se na pele de um herói prestes a morrer pela pátria. Deviam ser efeitos do álcool e da pancada....


A dinamarquesa agarrou o Zé em peso e subindo o parapeito, pendurou-o de cabeça para baixo! Ele chorava e berrava como um bezerro desmamado, Karen gritava palavrões e os turistas, alvoroçados por tanta agitação, filmavam e tiravam selfies, e aquela cena toda tornou-se instantaneamente viral no Facebook, Instagram e Youtube!

Ao ver a dinamarquesa em pé no parapeito, mas sem imaginar que estivesse a segurar as pernas do Zé, os polícias começaram a gritar para que ela levantasse os braços e descesse. Nós sabemos que os nórdicos normalmente são pessoas que respeitam as autoridades, e Karen não era excepção. Ordem dada, ordem cumprida, e com um sorriso fino de ironia tipo “vocês é que mandam”ela levantou ou braços….

E Zé cai de cabeça do Arco da Rua Augusta abaixo!

Todos conhecemos o velho ditado “ao menino e ao borracho põe-lhe Deus a mão por baixo?” E foi mais uma vez isso que aconteceu. Deus meteu um toldo de Tuk-Tuk por baixo do Zé. Caiu de fuças e partiu-se todo, mas incrivelmente sobreviveu!



Bem, e o que aconteceu a seguir?

Pelo que ouvi dizer, a segurança Carlinha está agora dedicada a tempo inteiro à apanha dos Pokemons, tendo como companhia inseparável a Inger....

, tendo visto muito próximo o final da sua vida, achou que tinha recebido uma dádiva divina e que era altura de se regenerar e de se purificar. E tornou-se um monge tibetano e foi viver incógnito para as Ilhas Canárias. Os seus pais só desejam que ele fique por lá por longo e bom tempo e que não os chateie!

Karen tornou-se uma estrela em Copenhaga, após ter publicado o seu livro "Pendurei-te pelos pés!" em que narrava todos os episódios das suas férias em Lisboa, culminando, claro está, com a captura do agora famoso perninhas de alicate.

E esta semana Karen anunciou que está a preparar um novo livro, que contará as suas aventuras das próximas férias, a terem lugar numas certas ilhas espanholas.....


(Fim)