quinta-feira, 4 de maio de 2017

EU SEI - ANDREIA Capítulo Final (5 de 5) FIM


E o André,  sem dizer uma única palavra, disse tudo. E sem dizer uma única palavra levantou-se, saiu e nunca mais o vimos.
De repente compreendi que era isso. O porco do Ivo estava a fazer exactamente o mesmo jogo que fez o André. E tantos e tantas fizeram ao longo dos incontáveis séculos!
Era comigo que o Ivo fingia. Eu era o engodo, o seu passatempo. Continuava a amar incondicionalmente a Sónia, mas há falta do melhor, demonstrava gostar de mim! Que grande otária estava a ser.
Senti o chão ali mesmo a fugir-me debaixo dos pés. Nesse instante vi que o tinha perdido. Mas será que se pode perder quem nunca se teve?
Mas a verdadeira questão era: importava-me? E a resposta veio rápida: sim, importava-me. E muito! Mas no fundo o que é que eu podia fazer? Nada. Absoluta e rigorosamente nada. Restava-me assistir ao resto da encenação como uma mera espectadora, não como actriz.
Nesse exacto momento o Ivo remexeu-se na sua cadeira, e percebi a analogia. Vocês sabem: quanto mais a mosca se debate na teia mais presa fica. E a aranha sabe que se aproxima o momento fatal.
A mudança de comportamento do Ivo foi tão notória que até me deu pena. Quando estávamos os quatro, ele estava tão tenso como uma corda esticada num violino, e nem se incomodava de disfarçar que estava com uns ciumes incríveis, não me dando quase nenhuma atenção. E sem notar que estava a ter esse comportamento. Ou sem se importar......
Ao ver o André sair, Ivo relaxou, mas apenas por uns poucos segundos. Nem ele nem eu esperávamos pela fantástica jogada de mestre da Sónia…que, soube depois, estava de conluio com o José, o tipo que tinha telefonado para o André!
A Sónia levantou-se de supetão, nitidamente a fingir que ia a correr atrás do André, e acto contínuo, o Ivo levanta-se e agarrando-lhe o pulso, diz num tom alto e impositivo “Mas o que é vais fazer? Nem penses. Ficas aqui! Comigo! Ouviste?” E levantando os olhos, fita-me.
O jogo de olhares entre nós os três foi brutalmente esclarecedor.
A Sónia sorriu levemente. O jogo estava terminado. E ela tinha ganho!
Ao ver que a Sónia tinha desistido de ir atrás do André, Ivo larga-a, e deita-se no sofá. Entre lágrimas que desamparadas lhe escorriam cara abaixo, olha para o tecto como se estivesse a fitar um céu estrelado, e diz:
Só o ciúme me conseguiu dizer o quanto te amo, Sónia, e o quanto estava enganado acerca de outros sentimentos.” E ao dizer isto levanta-se e fecha-se no quarto, saindo da sala, saindo da minha vida….
O silêncio que caiu na sala foi insuportavelmente pesado.
A noite começara com um alegre jantar de casais, e no fim ficámos as duas, apenas as duas, e sem sequer nos olharmos….
Sem aguentar mais, aproximei-me da cara de Sónia e disse-lhe:
Grandessíssima cabra, manipulaste tudo e todos. E o mais estúpido é que não te impedi. Até te ajudei!” continuei, já num tom que mais parecia um grito de revolta.
O Ivo foi e sempre será um pobre desgraçado debaixo das tuas garras imundas! E o pior é que queres ficar com ele por se ter ousado aproximado de mim, e só lhe irás infernizar eternamente a vida!”
E a Sónia, voltando-me as costas de forma a que não lhe pudesse ver os olhos a brilhar com a mais pura das malícias, disse....
"Eu sei…… Mas nós as duas sabemos bem que é disso que ele mais gosta...."

"Eu sei", disse-lhe baixinho. "Eu sei...."

fim